13 October 2011

Maturidade

Ultimamente venho com ideias e desejo de ter um relacionamento sério, e duradouro. Digo isso pois até o presente momento nenhum relacionamento que tive durou mais do que 7 meses [ mais ou menos ]. Uma vez eu fiquei esporadicamente com um rapaz por cerca de um ano, mas não era algo constante. 
Eu posso dizer que por um bom tempo eu tive medo de relacionamentos por vários motivos que não vêm ao caso agora. Um dos motivos, esse vêm ao caso agora, era o medo de me sentir presa e com isso perder minha identidade. Pensava que ao estabelecer ou construir um relacionamento sério eu perderia meus amigos, pois teria que ficar somente com o tido 'namorado', e com o tempo abriria mão da minha identidade, gostos e desgostos e tudo mais.
Essa ideia me aterrorizava. Porém, ainda com o famoso tempo, eu percebi que gosto de ter alguém ao meu lado, que a presença de alguém em determinados momentos me faz falta. Finalmente eu notei o quanto eu, apenas no mais íntimo da minha consciência e dos meus sentimentos, eu queria alguém para estar comigo durante as tardes de domingo, ou em uma terça a noite para ver um filme, e principalmente em noites chuvosas ou ao final de um dia difícil.
Alguém, principalmente, para dividir minhas alegrias, risadas, crescer juntamente comigo e se tornar um porto-seguro. Uma pessoa para sonhar comigo.
Juntamente com essa percepção, o medo se foi. A época em que medo eu sentia de me envolver e criar laços passou. Posso dizer que estou em uma fase diferente da minha vida, afinal, tenho notado diversas coisas ao meu respeito que antes não sabia, ou talvez estivessem esperando o momento certo para darem o ar da graça. Eu prefiro acreditar que essas percepções e gosto sempre existiram dentro de mim, contudo elas esperaram o momento certo para aparecerem.
E sim, eu acho que tudo tem sua hora certa, pois tudo o que acontece em nossas vidas depende do nosso preparo para entender e lidar com o fato acontecido [ okay, isso ficou redundante, mas pelo menos eu passei - ou espero ter passado - a ideia desejada]. Antigamente eu não tinha maturidade - nem emocional e nem racional - de construir um relacionamento, e hoje, acredito poder fazer tal coisa. Sei que não sou e nem estou perto de ser uma pessoa madura, entretanto para a minha vivência, experiência e idade, creio ter amadurecido um pouco de uns meses para cá. 
E sinceramente?! Eu me sinto mais madura, e isso ma faz bem. É extremamente agradável se sentir mais confiante e descobrir coisas sobre si mesmo, que te ajudam a evoluir e se tornar uma pessoa melhor.
Espero com todo o meu ser que eu continue amadurecendo, pois essa mudança me permitirá conhecer uma pessoa legal e com ela construir algo legal, pois eu cansei de fugir, e sumir da vida de pessoas que poderiam ter sido tudo aquilo que um dia eu sonhei, mas por medo, eu não segui em frente.

28 August 2011

'Coisa'

O que é a coisa mais importante para você?
Dinheiro?Maquiagem? Roupas? Beleza? Tecnologia?
Perceba que eu disse 'coisa' e não pessoa, sentimento, lugar ou coisa pessoal. Apenas coisa. Algo bem geral. Aquilo que você quer que as pessoas ao seu redor notem, a primeira impressão se você preferir. 
Sabe quando você entra em um lugar e quer passar as suas ideologias, sua personalidade e seu caráter [ sim, personalidade e caráter são coisas diferentes, mas abordarei esse assunto em outro momento ] pela forma com a qual você se veste, se comporta, fala, anda... Então, essa é a 'coisa' mais importante para você.
Não é fácil descobrir isso, ou até mesmo admitir, afinal as vezes essa 'coisa' é relativamente fútil, boba, ou simples. Contudo, ninguém deveria sentir vergonha de ser quem é, de seus ideais, e princípios. Claro que para tudo tem um limite, se orgulhar de ser homofóbico ou racista não é legal, pois o respeito é a base de tudo. Entretanto, não há nada de errado em sentir orgulho de crer em Deus, ou de ter alguma doença visível [ alergias, ou cancer que muitas vezes quem sofreu dessa doença perdeu os cabelos ].
Agora me pergunta: okay, eu não devo sentir vergonha dessas marcas na pele, mas e se a tal 'coisa' para mim for a aparência ou a beleza? Como é que a gente lida com isso?
Eu até diria que você me pegou nessa pergunta, mas isso não é verdade, pois eu padeço desse mal, porém, infelizmente eu não tenho a resposta. Alguma [s] teoria [s], talvez. Solução, não. Eu só posso dar uma mensagem de ânimo, que te ajude a lidar melhor com isso.
Bem, por mais difícil que seja admitir isso, a 'coisa' que é mais importante para mim [ e que fique bem claro, essa 'coisa' - espero que você caro leitor; ou leitora, tenha lido o 'só' em negrito - se aplica a mim e a mais ninguém que me cerca ] é a aparência. Eu gosto de estar bem apresentada, cabelos limpos, uma maquiagem adequada [ mas sempre maquiada ], perfumada, e com uma roupa correta, mas sempre bem vestida.
E é nesse exato momento que entra um porém, eu tenho alergias na pele [ juntas dos braços, joelho e em algumas juntas de alguns dedos das mãos ]. E bem, alergias além de visíveis, não são algo agradável de se olhar. Agora, pense comigo, para uma pessoa cuja 'coisa' [ essa palavra já está ficando repetitiva não?! ] com a maior importância, alergias à mostra são bem desagradáveis.
E fica a dúvida no ar, como lidar com essa situação?
Bem, para a minha tristeza [ e para aqueles que partilham a minha 'coisa' e alergias ] não há muito que se possa fazer, você pode tratar das suas alergias, e esperar que elas passem, ou viver se escondendo. Você pode assumir, deixar a vergonha de lado, e mandar tudo para as cucuias. Contudo, eu sei que isso não é fácil. Seria muito melhor ser uma pessoa normal, como todas as outras, sem marcas na pele, sem coceiras, dores, incômodos. Creio eu que a vida queira nos ensinar algo, queira que aprendamos com essas desavenças.
Podemos até fazer uma analogia com o filme "A Bela e a Fera" da Disney, de certa forma nós seríamos a Fera, e estaríamos em busca de alguém ou de pessoas que nos cerquem e não liguem para essas 'feiuras'. E, para colocar um pouco de mágica nisso tudo, quando encontrarmos essa[s] pessoa[s] tudo mudará. Não ligaremos mais para isso, para as marcas, pois a 'coisa' é de nascença.  
Não estou dizendo que é fácil, mas apenas tentando ver um lado positivo nisso tudo. Afinal, a esperança é a última que morre, e por isso eu tenho a certeza de que devo acreditar que em algum momento minhas alergias vão partir, e de Fera, eu passarei a ser a Bela.

16 July 2011

Via de mão dupla

Desde pequenos nos ensinam a dar valor a algo ou alguém. Devemos cuidar e valorizar nossos brinquedos quando somos pequenos, pois senão eles quebram e não ganharemos outro. Aprendemos com nossos pais a valorizar atitudes, afinal, eles nos encorajavam e parabenizavam por pequenas atitudes corretas. Também aprendemos com eles o valor de uma pessoa, pois eles são nosso porto seguro.  Quando crescemos percebemos ainda mais a importância das pessoas em nossas vidas.
Com o tempo passamos a ter uma vida social, a termos amigos ou até mesmo um relacionamento amoroso. E dessa forma passamos a valorizar essas pessoas, pois os amigos são aqueles que nos ouvem, nos apoiam e querem participar das mais loucas/absurdas e improváveis ideias. E a pessoa com quem você se relaciona é aquela que sempre te dará carinho, atenção e te dirá que você está bela [o] assim que você acordar.
Conforme nós vamos criando nossa liberdade, preferimos passar mais tempo com nossos amigos do que com nossos familiares. E de certa forma os familiares se sentes esquecidos e nos falam sobre troca de valores, nos dizem que damos valor maior aos amigos do que a família. Contudo isso nem sempre é verdade. A família sempre será nosso porto seguro - de uma forma ou de outra - porém os amigos são aqueles com quem nós temos maior afinidade e é mais fácil de se conviver. Só que a pergunta que paira no ar é se os familiares também nos dão o valor que eles cobram de nós?!
É bem fácil cobrar algo de alguém, contudo, na teoria [e eu repito na teoria] nós devemos apenas cobrar aquilo que somos capazes de cumprir. Nem sempre quem nos cobra o reconhecimento por seus atos reconhece os nossos atos. Dizem que a vida é uma vida de mão dupla, aquilo que vai, volta. E para algo voltar, bem, tem que ir primeiro [ meio obvio não?! ]. E ninguém aprende algo 'do nada'. É necessário um exemplo, uma explicação, a convivência. Afinal, nós aprendemos a falar pois convivemos com pessoas que falam. Não acordamos um dia e 'puf' saímos falando. 
Por isso que você não deve se preocupar muito com as acusações das pessoas ao seu redor, pois, se alguém te valoriza, você é capaz de perceber isso, e por consequência, valorizar a pessoa também.

25 June 2011

Releitura

Nostalgia, eis o sentimento que me consome nesse momento.  Estou ouvindo músicas carregadas de lembranças, músicas que marcaram uma era da minha existência - meio exagerado não? Porém verdadeiro.  Músicas que me lembrar uma época que por mim jamais teria deixado para trás, e que confesso ter uma certa resistência para virar a página dessa época. Com uma certa frequência eu volto a ler esse capítulo do meu livro da vida. Não sei dizer se essa releitura - se assim podemos dizer - é boa ou não. 
Por um lado é muito bom, pois aquela época era boa para mim. Eu me divertia, e vivia de forma leve, apesar dos complexos da minha existência, eu era bem aceita por quem me rodeava, e tudo fluia naturalmente. Não tinham 'contratos sociais' e nem grandes preocupações sociais. Havia um grande respeito com os gostos alheios, e um grande carinho entre nós. A gente se sentia bem um com o outro, independente de tudo. Éramos bem diferentes, porém algo nos unia - e até hoje não sei o que era, só sei que funcionava. E isso era legal! Essa naturalidade entre nós. Minha rotina era bem bobinha, mas para mim era suficiente, acordar, sentir o frio do dia, me trocar, ir até a pracinha e esperar o ônibus, chegar no colégio e ir encontrar meus amigos, quando o sinal batia ir até meu armário e pegar meus  livros, e ficar pensando em milhões de coisas durante as aulas, ir almoçar, conversar com meus amigos debaixo da árvore, morrer de frio enquanto isso, voltar para as aulas, sair da aula, pegar o ônibus e voltar para casa, fazer tarefa e dormir... 
Apesar de tal rotina se parecer com a rotina de muitas pessoas, para mim ela tinha um gostinho especial. Não sei bem explicar... Mentira! Na verdade eu sei sim! O que tornava tudo aquilo mágico era o frio, a beleza do frio, a cultura totalmente diferente, a paisagem, a forma como as casas, prédios, ruas, carros, pessoas... eram! Tudo tão diferente, e tudo tão igual. Tão difícil de lidar, de assimilar, mas tão fácil. 
Era algo que me fascinava a cada dia que passava. Apesar de serem as mesmas coisas todo santo dia.
Porém, reler esse capítulo com tanta frequência não é tão bom assim. Me faz mal, me entristece, acende em mim uma chama que em consome e que não me deixa progredir na vida. Que me mantém presa a um passado que não vai voltar. Por mais que eu queira, por mais que para lá eu volte, não será mais a mesma coisa, todos nós crescemos, e nossa vida seguiu em frente, eu cresci! Agora estou na universidade - e de nada tenho que reclamar da minha vida de universitária - não estou mais no colegial, e nem eles estão mais no colegial. Nossas vidas seguiram em frente, tomaram diferentes rumos, e cada um está construindo sua vida da forma que melhor lhes convem. E aqui estou eu, presa a essa nostalgia, a esse passado que apesar dos seus altos e baixos, foi perfeito na sua integridade. 
Não é fácil se desprender daquilo que lhe faz ou lhe fez bem, parece que se eu deixar ele partir, algo de ruim vai acontecer. Seria como se uma parte de mim deixasse de existir.
E eu me pego pensando 'será mesmo que eu tenho que deixar o vento levar essas memória que eu guardo com tanto esmero dentro de mim?'. I don't think so. 
Creio eu que não, elas são parte de mim, parte do que ajudou a formar quem eu sou. Foi uma época que ajudou o meu amadurecimento - não que hoje, ou até mesmo na época, eu sou/fosse a pessoa mais madura do pedaço - mas ajudou e continua ajudando a formar meu caráter.  E então surge outra pergunta ' qual o motivo/razão/circunstância para eu querer terminar de vez esse capítulo?' 
Essa é uma pergunta que nem eu sei responder direito. As vezes parece que eu estou sendo ingrata ou irracional ou até mesmo infantil por ainda me lembrar daquilo. Parece que eu não sei aproveitar o que acontece de bom comigo no presente, e que eu não sei conciliar o passado e o presente. Que eu não sei ver o que de bom acontece comigo, e fico presa no passado. 
E eu posso até dizer que tenho medo do presente. Medo do que pode acontecer, de as  coisas não correrem bem... sei lá! Ainda não defini direito. Seria como se eu apenas pudesse ter sido feliz - como eu fui naquela época, com aquele gostinho mágico - uma vez, e nada mais. Contudo, cada fase com sua felicidade, certo?!

19 June 2011

Poeira

Desânimo! Cansaço! Vontade de jogar tudo para o ar e se enfiar no edredon e ficar lá até cansar. Você já se sentiu assim ? Bem vindo ao clube! Todos nós já nos sentimos assim, ou estamos sentindo assim. Bem, essa não é uma sensação muito agradável, não é ?! É bem chato quando não sentimos vontade de fazer aquilo que normalmente fazíamos, ou até mesmo de fazer qualquer coisa.
Não é crime sentir desânimo, cansaço, falta de vontade ou até mesmo preguiça. Nós somos seres humanos, falhos e com energia limitada. Nem sempre temos pique para sair e tocar nossa rotina.  A vida não é como um aparelho de som, mp3, Ipod, ou até mesmo um filme que você clica no 'play' e tudo acontece automaticamente. Na vida nós temos imprevistos, sentimentos, vontades, temos o sol, a chuva... Porém, apesar de serem aparelhos eletrônicos, eles também perdem a bateria e nós também!
Temos o direito de estarmos desanimados, e sem energia. Contudo não deveríamos nos deixar levar por esse desânimo, pois ele só vem para atrapalhar. Ele te impede de viver, de curtir dia após dia. Ele te deixa triste, cabisbaixo e sem vontade de apreciar a vida. E  cá entre nós, isso é bem chato não?
Okay! Você pode ficar assim por um, dois dias. O tempo necessário para recarregar suas energias e voltar a viver, e mesmo porque, ninguém gosta de ficar perto de uma pessoa triste.
Quando o desânimo te pegar, ouça uma música animada, saia e vá para a casa de um amigo, ou saia com seus amigos. Não deixe que ele te pegue e derrube você. E se você cair, levante, sacuda a poeira e mostre que você é mais forte que ele e que você não se deixa abater tão fácil. 
Não se cobre muito, todos tem o direito de errar e acertar, e é assim que a vida funciona! 

08 June 2011

Atitudes

Hoje eu falei para um amigo sobre meu blog, esse que você está lendo, e esse meu amigo me perguntou o que estava aqui escrito, e eu respondi que a minha alma toda. Disse que eu era a autora de todos os textos, e por consequência eles revelam um pedaço de mim. Nisso reparei que já faz um bom tempo que eu não escrevi nada. 
E então eu comecei a refletir sobre minha alma, okay isso parece meio bobo, mas logo você vai entender minha reflexão ou tentativa de refletir sobre algo. Percebi que já faz um tempo que eu não escrevo nada, eu não conseguia escrever - literalmente! Parecia um bloqueio, eu começava a escrever um texto, e menos de cinco linhas depois eu apagava tudo e começada novamente outro texto, e cinco linhas - ou menos - depois lá estava eu apagando e começando outro texto outra vez... E assim formava um ciclo, quase vicioso pois em um determinado momento eu me cansava desse escreve apaga escreve apaga escreve apaga escreve apaga escreve apaga escreve apaga...
E devo ser honesta o suficiente para dizer que isso era bem frustrante.  Pensei até que algo estava errado comigo, e tentei descobrir o que estava errado. Quais eram as minhas atitudes mais recentes que faziam com que eu não conseguisse mais escrever. Diversas ações vieram em minha mente, algumas até me surpreenderam, porém pensei e repensei sobre minha conduta, e numa reflexão mais calma e detalhada eu vi que nada do que fazia era exagerado ou fora do comum, e que na verdade era paranóia minha. Essa conclusão só fez com que eu me sentisse pior, porém ao perceber que nada havia de errado com minha postura e sim com a minha pessoa, com o que eu sou.
O que aconteceu foi que eu mudei, não mudança de caráter, pois as pessoas são o que elas são, o que acontece é o aperfeiçoamento ou regressão das qualidades [ ou até mesmo defeitos ]. Posso dizer até que eu percebi melhor minha forma de agir, algumas características minhas, gostos, qualidades, defeitos e até mesmo formas de pensar.  Devo dizer que fiquei surpresa quando percebi um certo amadurecimento em minha pessoa e após ter compreendido minha forma de agir em determinadas situações.
É engraçado como a gente muda, evolui, ou aperfeiçoa nossa personalidade sem ao menos percebermos.  Muitas vezes nós não estamos preparados para tais mudanças, e não sabemos lidar com tais. Porém outras vezes elas chegam e nós não percebemos, e fica difícil lidar com algo que nós não sabemos.
É surpreendente quando você aprende a lidar consigo próprio. Digo isso pois eu aprendi a lidar comigo mesma, não totalmente afinal ainda há muito para descobrir, mas fica mais fácil quando você mesmo se entende, mesmo que seja parcialmente.
Muitas vezes, quando você não consegue fazer algo que era um costume ou uma forma de alivio ou de reflexão, de colocar as ideias no lugar, de desabafo ou o que você quiser. Pare. E pense em você, converse consigo mesmo.
Isso pode parecer infantil, ou até mesmo inútil, mas após algum tempo você entenderá melhor a si mesmo. E não existe nada melhor d que estar em paz consigo mesmo.
Sei que ainda não estou totalmente ciente de todas as mudanças e aperfeiçoamentos de personalidade que tive, mas com o tempo vou percebendo melhor, e lidando melhor com tais percepções.

16 April 2011

Carta na manga

O que leva uma pessoa a escrever? 
Bem, eu escrevo coisas do cotidiano, algum flash durante o dia - ou durante a semana, ou final de semana... - que me chamou a atenção. Escrevo também sobre algo que me fez refletir, que me intrigou de certa forma. E já faz um certo tempo que eu não escrevo em meu blog, e você deve estar pensando 'então não aconteceu nada de interessante nos últimos tempos?'.
Sim, aconteceram várias coisas interessantes, e algumas delas ainda me fazem refletir, mas não tive tempo de processar todas. Porém, as vezes apenas uma noite, uma conversa ou uma atitude são suficientes para compreendermos tudo aquilo que nos intrigava. Escrever ajuda a organizar as ideias, mas temos ideias que levam tempo para serem processadas. Dizem que não porque nós paramos de pensar em algo, que o nosso cérebro parou de trabalhar um assunto. Você nunca se deparou pensando em algo,  e se surpreendeu por pensar naquilo? Então, isso é seu sub consciente trabalhando.  
Nem sempre conseguimos assimilar algo de primeira, cada um tem seu tempo, e cada assunto ou acontecimento em nossas vidas leva um tempo para ser processado, ou até mesmo para acontecer. Cada pessoa tem seu tempo, para amadurecer, para evoluir, para passar por grandes transformações... E não é certo apressar o tempo de cada um.
Tudo acontece no tempo certo. Basta apenas entender as vontades do destino, muitas vezes ele sabe o que é melhor para nós, mesmo que para nós não faça sentido. Digo isso pois eu me pseudo relacionava com uma pessoa. Nós ficávamos com uma certa frequência, e nós ficamos nesse 'vai não vai' durante um bom tempo. Até que eu me cansei, e fui conversar com ele. Nisso ele me disse que não queria nada sério com ninguém [ okay, eu também não queria nada sério com ele, mas enfim, depois de tanto tempo, ou algo começava ou terminava ] e que nós ficávamos aleatóriamente e nós poderíamos continuar assim, e se um sentimento surgisse daí algo mais sério poderia ser pensado. Porém, ele se esqueceu de algo muito importante: meus sentimentos e minha concepção da situação toda. 
Depois de todo esse tempo, um flash passou pela minha cabeça: não é correto fazer alguém de step, ou carta na manga se você preferir, somos todos seres humanos e não objetos. 
Devemos nos tratar com devido respeito... mas enfim, o ponto central desse artigo não é como tratar e respeitar o semelhante e sim o tempo de percepção de cada um.
Conversa terminada, voltando para casa, pensando, eu finalmente entendi que meu tempo de ficar com ele e de correr atrás e tudo mais acabou. Não adiantaria nada eu esperar algo, pois nada viria, e apesar de não estar apaixonada por ele, havia a espera pela abertura para um sentimento se construir. E essa abertura não viria.
Demorou para eu perceber isso, mas percebi na hora certa, quando uma pessoa capaz de dar essa abertura entrou na minha vida.
Outro exemplo foi quando compreendi que nós nunca deixamos de amar quem foi o nosso primeiro amor, porém não é crime seguir em frente e amar outras pessoas, pois nem sempre nosso primeiro amor é a pessoa certa para a nossa vida. Todos nós temos o nosso primeiro amor, e ele sempre será o primeiro e creio eu que um dos mais especiais e até mesmo o mais importante, pois foi graças a ele que nós descobrimos a beleza de amar. Todavia surgirão outros que serão tão belos, intensos e acima de tudo mais maduros. Levei praticamente quatro anos para entender isso, e tenho certeza que entendi na hora certa. 
Não tinha maturidade suficiente para ter entendido isso antes, e hoje sou capaz de compreender e aceitar tais fatos.
Por isso que digo que tudo acontece quando deve acontecer. Muitas vezes achamos que estamos prontos para determinados acontecimentos, quando na verdade não estamos, e chegamos até a ficar bravos por tal coisa não acontecer - ou até forçamos para algo acontecer - e quando chega a hora certa nós compreendemos que não estávamos prontos para aquilo em um determinado momento do passado. E se você força, quando chega o momento certo, você se arrepende por não ter esperado.
Você deve pensar que isso tudo é muito complexo, certo?!
Pois bem, concordo com você, tudo isso é muito complexo, porém é a mais pura verdade.
Tem como você saber quando é a hora certa, muitas pessoas dizem que não, mas tem sim, sua mente - juntamente com seu coração - sabem quando é a hora certa. Chego até a acreditar que nosso sub consciente é mais maduro que nosso consciente, mas que graça teria a vida se nós já soubéssemos tudo?

22 March 2011

Conveniência

Sorrir. 
Rir. 
Em um antigo artigo eu já comentei sobre a minha concepção para ambas ações, porém eu não falei sobre a arte de manipular tais ações. Pois é, infelizmente existem formas de distorcer ações que deveriam sem puras e sinceras em um ser humano.
E você deve se perguntar como é possível manipular um sorriso, afinal a gente só consegue sorrir quando nosso coração sorri junto - ou pelo menos deveria. Okay, então como isso é possível? 
É bem simples no final das contas, nem sempre estamos de bom humor, ou felizes - propriamente dito. Contudo, não é por isso que devemos sair chorando pelos cantos, pois cá entre nós isso não é necessário. Nossa vida não é um livro aberto, não devemos nos expor para todos. A vida de alguém é algo um tanto quanto particular, cada um deve satisfações apenas a si próprio de suas atitudes, e não ao mundo. A vida social de alguém é apenas uma pequena parte daquilo ela vive 24 horas por dia e 365 dias por ano.  
Ao raiar do sol quem sabe aquilo que se passa em seus pensamentos  e o que você sente é apenas você, e ninguém mais! Sim, nós partilhamos com outras pessoas aquilo que pensamos e até o que sentimos, mas não constantemente, em algum momento você vai guardar algo para si.
Ao por do sol quem pensará em como foi o dia será você, consigo próprio. 
Dessa forma, muitas vezes não queremos expor aos outros como nos sentimos, e por isso sorrimos ao dizer que estamos bem, ou por algum outro motivo. Sorrimos quando estamos sérios e alguém nos pede para sorrir [ o que é extremamente irritante ]. Sorrimos por conveniência. 
Porém nossos olhos nos traem. Quando uma pessoa não sorri com o coração, seus olhos não brilham, apenas ficam ligeiramente mais estreitos pelo movimento das bochechas.
Não é errado sorrir para não chorar, é questão de sobrevivência. Não sobreviveríamos se fossemos sempre sinceros com as pessoas ao nosso redor, pois elas não são sempre sinceras conosco.

20 March 2011

Conforto

O ser humano é uma criatura estranha. Somos indecisos, insensíveis, insatisfeitos, instáveis e egoístas. Sim, todos os seres humanos são assim, e me desculpe se você caro leitor não gostou de ler isso, mas ao longo do artigo tenho certeza que você entenderá meu ponto de vista. Porém, ao mesmo tempo um humano pode ser amável, gentil, carinhoso e altruísta. E sim caro leitor, sou uma pessoa contraditória, costumo até mesmo dizer que sou a contradição em pessoa, mas nesse exato momento não estamos falando sobre mim, e sim sobre humanos.
Enfim, voltando ao assunto...
O homem nunca está contente com aquilo que tem, sempre procura algo a mais [ ou a menos ]. A laranja nunca é laranja o suficiente, e o amarelo é muito amarelo, e o sol está forte demais, ou o dia frio demais e um pouco da luz do sol seria bem vinda. Percebe o ciclo vicioso em que o homem se auto coloca?
O que é mais confuso ainda é que o ser humano se assusta com aquilo que ele mesmo provoca. Uma pessoa age de uma determinada forma, e ele se assusta e foge das consequências criadas por ele mesmo. Agora, reflita, se você tomou tal decisão e fez algo acontecer, você deveria estar preparado para as consequências. Agora, se você não esperava que as coisas aconteceriam dessa forma, refletisse antes.
Todavia, não é por que algo não acontece como você esperava que você tem que fugir como diabo foge da cruz. Algumas vezes é bom enfrentar situações que fogem do nosso controle, para crescermos, amadurecer e vivermos. Além do mais, viver coisas novas é ver o mundo de uma forma diferente, é se abrir para o universo, e ver que nem tudo que foge do nosso controle é ruim. Novas experiências geralmente nos trazem boas lembranças.
O segredo é não ter medo de seguir a diante, é não ter medo de desconhecido. Okay, okay não é fácil sair da zona de conforto, da zona de segurança de uma pessoa. Contudo, para você evoluir você deve sair e enfrentar o desconhecido, e torná - lo mais um  porto seguro para você.




17 March 2011

Capacidade

 Ansieade : falta de capacidade de esperar, o grande problema da humanidade.
Tente esperar um ônibus durante cinco minutos, ou faça uma pergunta a alguém e peça para ela responder uma outra hora. Como você se sentirá? Em que você pensará ?
Uma grande inquietação tomará conta de você, seus pensamentos se congelam naquilo que você espera, suas pernas se mover sozinhas de um lado para o outro, e o tempo parece passar mais devagar. Você só se sente em paz quando finalmente você consegue aquilo que queria.
O ser humano é bem difícil de lidar, afinal, queremos tudo para já, mas se fosse para 5 minutos atrás seria melhor - obrigada.
O que aconteceria se nós deixássemos tudo fluir como deve acontecer. Se o ônibus está atrasado, paciência, uma hora ou outra ele há de chegar. Se alguém não pode te dar uma resposta, o que você vai fazer? Arrancar a língua dela para ouvir a resposta? No sir.
A única coisa a fazer é esperar. 
A resposta virá, assim como o ônibus.
Nós não temos o direito e muito menos o poder de alterar a maneira como as coisas são feitas, e como elas devem acontecer. Não adianta esperar muito, pois quanto mais queremos algo, mais tempo demorará para aquilo acontecer.
E me pergunto o motivo de tal demora. Creio que isso aconteça para darmos valor as boas coisas que acontecem - porém raramente damos. Ou até mesmo para provar a nossa perseverança, se temos capacidade de lutarmos por aquilo que queremos, ou se apenas vamos desistir e partir em busca de outras coisas [ que provavelmente também vamos desistir pois é muito difícil conseguir aquilo que queremos ].
E nessa brincadeira os dias, semanas, meses e anos vão passando. E quando nos damos conta já estamos velhos, e não lutamos por nada. E por que?
Bem, sabe, estava demorando muito para conseguir, e não tenho tempo. Não gosto de esperar...
Seja menos ansioso, e curta mais o momento. Se seu ônibus ainda não chegou, algum motivo tem, nada é por acaso nessa vida.
Cultive sua paciência, pois pessoas paciente são serenas, e muito calmas e tudo para elas parece acontecer naturalmente. Aliás, a vida deveria acontecer naturalmente, e não com horário de saída e de chegada. Apressar o percurso da existência não leva a nada, apenas a fim mais rápido.

12 March 2011

Artificial

Uma coisa que acho surpreendente no homem é como ele planeja as coisas. Sempre existe um plano, para tudo! Chega a ser até artificial: tenho que fazer isso tal hora, e de tal forma, e com pessoa 'x'. Hoje é isso, amanhã é aquilo, segunda feira vai ser assim, terça assado, 2011 quero que seja assim.
wow!
Calma aí meu chapa!
O lado bom da vida não é planejado. Você não planejou quando nasceu, e muito menos quando vai morrer. Okay, okay, muitas coisas da vida são planejadas, como por exemplo sua ida a escola, porém você não pode prever se você vai se apaixonar por um colega de classe. 
A vida é cheia de surpresas, e é mágico quando algo inesperado acontece. Você passa boa parte da sua pré adolescência sonhando com o primeiro beijo, até mesmo planejando, porém quanto mais você planeja, menos isso acontece. E quando você para de se preocupar, 'puf' acontece. 
E a graça da vida está nisso. No que não foi planejado.
A vida é algo natural, e o que acontece conosco também deveria ser. Deveríamos deixar a vida fluir e seguir seu percurso assim como os rios o fazem. Não faz parte do destino ficar planejando isso e aquilo. Dessa forma deixamos de viver o presente, e vivemos apenas o futuro. E o que você vai fazer quando o futuro se tornar o presente? Você vai vivê-lo ou continuar planejando futuros que ainda chegarão?
E se tudo o que você programou para acontecer, não acontecer como você esperava,  o que você vai fazer? Pular da ponte? No, no honey!
Você vai enfrentar o presente, e vivê-lo conforme as coisas vão acontecendo.
A vida é como uma música, você deve dançá - la conforme o ritmo que está tocando. Aliás, a vida é um aprendizado, e como você vai conseguir aprender a lidar com os problemas se você está tão focado com seu futuro? Quando chegar um problema futuro, você não saberá enfrentá-lo pois você não aprendeu como resolver no passado.
Relaxe. Se você apenas viver durante 5 minutos, o mundo não vai acabar. Uma pessoa me disse uma vez 'resolva um problema de cada vez.' 
Então, viva um dia, uma hora,um segundo de cada vez.
E você verá que no final do dia, você se sentirá mais calmo, mais realizado e até mesmo mais completo. 
O futuro só existe por aquilo que você fez do seu presente.

04 March 2011

Mentira

É engraçado como o destino nos prega peças. Poucos dias atrás escrevi um artigo dizendo que devemos nos contentar com aquilo que somos, e não querer ser o que não somos.
Todavia, o meu  querido e amado destino ainda não parou de me pregar peças. As vezes gostaria de entender o que o Senhor Destino quer de mim. Enfim, continuando o artigo...
Eu escrevi dizendo que devemos ser quem somos, e cultivarmos isso, porém algo que eu esqueci de mencionar, na verdade de pensar, sobre as outras pessoas que conhecemos. Nós as vemos como elas são,  ou como nós gostaríamos que elas fossem? 
Digo pois há algum tempo encontrei uma pessoa, andando na rua, muito parecida com alguém que marcou meu passado. Não foi alguém que marcou de tal forma, que me fez buscá-la todo o tempo, durante um bom período, posso até dizer que essa pessoa se tornou uma obsessão para mim. Não conseguia me livrar dela, o peso que essa pessoa teve em minha vida era muito maior do que eu podia carregar. E precisava achar um modo de aliviar esse peso, pois ele não estava em minhas costas, mas sim em meu coração. 
Digo isso porque o peso que nós carregamos nas costas são reflexo da nossa consciência, e em minha racionalidade, tal pessoa já havia sido 'eliminada', porém em meu coração... Ela ainda estava viva, posso até dizer mais viva que nunca, e isso não era bom.
E quando vi uma pessoa na rua, praticamente igual ao meu passado, bem, devo dizer que fiquei chocada. Quase entrei em pânico. Mas tive um lapso de consciência e continuei andando. 
Fiquei torcendo para encontrar a sósia de novo. Até que tal feito aconteceu, consegui ver tal pessoa como se deve, e em um local inesperado, experimentei uma mistura de sentimentos jamais sentidas antes : alegria, raiva, certeza, confusão, amor e até mesmo indiferença.
Senti alegria pois poderia ter a pessoa que sempre procurei de volta, raiva por ainda me prender a tal, enfim.
Eu literalmente transferi pessoa 'x' para pessoa 'y' [ não vamos dar nomes, é melhor para todos ], foi algo pseudo inconsciente. Pois eu sabia que 'y' não era 'x', mas a semelhança era grande.
Me aproximei de 'y' achando que era 'x'... Esperando, querendo que fosse 'x'. E o que eu fiz? Não me contentei com o que uma pessoa realmente era, quis que alguém fosse uma outra pessoa. E isso não é legal. 
Assim como nós temos que ser nós mesmo, as pessoas tem que ser elas mesmas para nós.
Nós devemos conhecer cada pessoa com quem nos envolvemos, independente de como nos envolvemos se for amicalmente ou até mesmo amorosamente, contudo a forma como eu me envolvi com pessoa 'y' não vem ao caso agora.
Depois de um tempo, alimentando essa ilusão, essa fantasia, uma mentira! Bem, eu reli alguns artigos deste blog e adivinha qual me fez refletir? " Borboleta ".
Passei dias pensando sobre, e vi que o que eu estava fazendo não era legal. Tentei ver a pessoa como ela é, e não como eu a via. Isso foi - e ainda é - difícil. No começo era bem mais difícil que é hoje, mas consigo ver quem é quem.
Isso é bom. 
Conhecer novas pessoas, por aquilo que elas são, é uma experiência que sempre vale a pena ser vivida.

15 February 2011

Borboleta

Certa vez estava conversando sobre cantores com uma amiga. E eu disse que não gostava da cantora 'x' [ vamos manter a ética e respeito pelos gostos alheios, ok?!]. E ela disse que gostava de tal cantora, e eu perguntei o motivo, e ela me disse que ela era muito inteligente, pois dizia que sua maneira extravagante de se vestir era uma forma de mostrar aos seus fãs - e pessoas ao redor do mundo - que eles podiam ser aquilo que quisessem e não seguir as ditaduras que a sociedade nos impõe.
Pois bem, esse é um certo clichê, certo? 'Seja quem você é, não se prenda a sociedade, bla bla bla'.
Essa frase ficou na minha cabeça, adormecida, mas em um sono agitado. E esses dias eu comecei a pensar sobre isso, e me peguei pensando que discordo totalmente do que ela diz. Não, nós não podemos ser aquilo que nós queremos, nós devemos sim ser nós mesmos, mas não aquilo que queremos.
Antes que você me me frite na banha de porco, vou explicar meu ponto de vista. 
Desde de sempre sou fascinada por contos de fadas, e príncipes e princesa. Meu sonho é me tornar uma princesa de um conto de fadas. 
Ou ainda uma grande modelo, pois sou fascinada por moda. Porém, a era de  príncipe e princesas já acabou faz um certo tempo, a não ser que eu case com algum príncipe perdido pelo mundo - o que eu acho pouco provável. Aliás na busca por países cujo governo é a monarquia foi bem produtiva, descobri países que nem imaginava que existiam - alguém já ouviu falar em Suazilândia, ou em Lesoto?. E descobri alguns países que monárquicos bem interessantes [ Nova Zelandia, Liechtenstein, Suécia, Noruega...]
 E caso ninguém tenha te contado, contos de fada não existem.
E quanto a minha carreira de modelo, bem com 1,67 de altura fica meio difícil entrar para o mundo das passarelas, tendo em vista que a altura mínima exigida para as mulheres é 1,72.
Eu também não posso ser um elefante, e nem uma borboleta, muito menos uma cama ou cortina.
Mas posso ser uma estudante feliz, que busca atingir as metas traçadas ao longo dos anos. E aceitar a ideia de ser uma pessoa, apenas uma pessoa, sem extravagâncias, sem desejos absurdos. Pois a chave da felicidade está em nos contentarmos com aquilo que somos, pois apenas nós sabemos o que é bom para si próprio. Querer ser algo diferente do que você é só vai te trazer tristeza.  E aprimorar aquilo que se é, vai abrir portas e trazer alegria. E cá entre nós, é muito mais fácil ser você mesmo do que imitar alguém. 

10 February 2011

Espelho


Ontem uma eu tive conversa bem interessante.
Falava sobre namoro com um amigo meu. Conversávamos sobre namoro, ele me dizia que estava um tanto quanto indeciso sobre seu namoro, ele me contava que via a menina mais como amiga do que qualquer coisa, contudo ele foi se envolvendo e quando se deu conta já estavam namorando. Complicado né?!
E eu perguntei se não seria melhor ele ficar solteiro, pois vai que nesse meio de tempo aparece alguém legal, e ele está namorando! E nisso nós começamos a falar da minha vida amorosa - aleatório não?!
E eu disse ao meu amigo que estava solteira. E ele ficou pasmo [ até agora não entendi o motivo, mas enfim...] 
Ele disse que era uma raridade eu estar solteira, disse que eu era muito bonita e simpática, além de inteligente - o que discordo completamente, mas isso não está em pauta hoje, pelo menos não nesse artigo - e que deveriam tem filas e filas de homens querendo ficar/namorar/seja o que for comigo. E eu disse que não, muito pelo contrário eu praticamente não tinha pretendentes.
Dai ele veio me perguntando se eu era muito exigente, e eu disse que não sou. Afinal a minha 'exigência' maior está na altura da pessoa, eu realmente gosto de caras altos [ e branquinhos, mas isso é detalhe]. 
E o que me chamou a atenção é que ele não foi o primeiro - e nem primeira - a falar que uma garota como eu [ gostaria de saber o que isso quer dizer, pois sou uma pessoa normal como qualquer outra] deveria estar namorando, ou ter vários caras paquerando e blablabla.
Agora, vamos supor que eu realmente seja uma pessoa bonita - grifa supor.
A ideia de que pessoas bonitas tem o mundo aos seus pés é falsa. Não temos o mundo aos nossos pés, muito pelo contrario. Raramente temos algo sério com alguém, são sempre ficadas, coisas de 1 ou 2 meses, nada sério. Parece que os outros tem medo de chegar, ou de ter um relacionamento. E devo admitir que isso é bem chato. Pessoas 'bonitas' não são seres de outro planeta, e sim seres humanos. 
Talvez muitas pessoas achem que os 'bonitos' não são fiéis, ou apenas futeis, mas isso nem sempre é verdade. Existem pessoas lindas totalmente fiéis e muito inteligentes.
Eu costumo dizer que não sou bonita, apenas produzida. Gosto de me arrumar, de tomar banhos demorados , lavar e hidratar os cabelos, de passar cremes e mais cremes no corpo - o que me resulta uma pele extremamente macia - adoro perfumes, e me maquiar então, nem se fale! É uma delicia! Ficar na frente do espelho passando rimel, lápis, batom [ descobri recentemente a arte de usar batom] é uma maravilha. 
Além disso, existe o poder do sorriso. Da simpatia e de estar de bem com a vida, e com você mesmo. Aceitar seus defeitos -okay! eu sei que sou a pessoa mais complexada desse mundo, mas sei esconder meus defeitos e valorizar o que eu tenho de bom.
Com isso eu me torno uma pessoa bonita.

Parece que as pessoas 'normais' tem medo das 'bonitas' como se elas fossem diferentes. Mas eu te garanto, todos somos iguais. Uma pessoa bonita não é superior a ninguém, e não tem o mundo aos seus pés. 
Por isso, da aproxima vez que você achar alguém bonito, não tenha medo em ir conversar com ela. Pois se ela for legal, tenho certeza que ela conversará com você. Agora, se ela tiver cabeça de tico-tico pega a beleza dela e joga fora, pois beleza não põe a mesa!



28 January 2011

Transição

27.01.2011 - 22:52
Provavelmente esse sera o ultimo artigo que escreverei com 18 anos. E posso dizer que estou um uma crise existencial. Não é fácil ficar um ano mais velha. Okay, Okay... Eu apenas vou ter 19 anos, mas apesar da pouca idade, a cada ano que passa, as responsabilidades aumentam, e a sociedade passa a exigir certas coisas. E eu não tenho tanta certeza que estou pronta para tais cobranças. As vezes parece que a vida passou tão rápido, que ontem eu tinha 15 anos, e em um piscar de olhos "puf" estou com - quase- 19. Tenho medo de não ver a vida passar, e em outro piscar de olhos eu estar com 29 anos e não ter conseguido construir a minha vida.
Medo de não estar a altura.
Estou em um momento de transição, e não é facil passar por isso. Creio eu, que não sou a unica pessoa a passar por isso, porém eu admito que tenho medo, e que não tenho certeza que estou pronta para isso.
Contudo, so saberei se estou pronta ou não, quando enfrentar os desafios de crescer. E ao enfrenta-los adquirirei maturidade, e experiência de vida. Espero me tornar alguém melhor. 
Espero amadurecer, e atingir meus objetivos. Farei o possível para isso, contudo, vou viver cada dia, um dia de cada vez. E ver quais serão as surpresas que o destino me trara.


Feliz aniversário para mim ;D


28.01.2011 - 00:03

15 January 2011

Iniciar

Dizem que quando uma mulher muda radicalmente o corte de cabelo, é porque ela mudou sua maneira de pensar. E eu posso dizer que essa frase se aplica a mim. Tenho percebido certas mudanças em meu ser. Mudanças como a forma como me visto, me maquio, penso, e para acompanhar cortei os cabelos. Foi uma atitude que permitiu a conclusão da minha pseudo metamorfose. Ainda não sei em que me transformarei, mas sei o que não sou mais. Creio eu que faz parte da transformação ir descobrindo aos poucos em que você ira se transformar.
Garanto a você, caro [a] leitor [a] que é bom, muito bom, renovar. E o mais engraçado é que isso aconteceu bem no começo do ano. Vai ser como dizer, ano novo, vida nova!
Vou iniciar esse ano de 2011 com a estreia de uma nova M. - Boa sorte para mim!
Mudar faz parte da evolução do homem. Nos nascemos, e quando viemos ao mundo éramos apenas bebes, porém crescemos e nos tornamos homens e mulheres. 
Bebes.Crianças.Adolescentes.Jovens.Adultos.Velhos.
Chorar.Brincar.Revoltar-se.Amadurecer.Casar.Pensar.
A cada fase de nossas vidas, nos compete certas atitudes e comportamentos.
Quando bebes, nossas vida são bem simples, choramos, mamamos, dormimos... Mas ao crescer e nos tornarmos crianças, começamos a descobrir as alegrias da vida, passamos a andar, correr, pular, falar - domínio no qual eu desenvolvi particularmente bem, não paro de falar - acreditar! Quando crianças começamos a acreditar nas coisas, afinal, que menina nunca acreditou em um príncipe encantado? Que criança não esperou ansiosamente pelo papai noel?
Porém, com o tempo vamos amadurecendo e descobrindo outros prazeres da vida. E amadurecer faz parte de quem nos somos.
Espero estar amadurecendo com esse novo começo.

11 January 2011

Robo

Dia 31.12 eu reencontrei um "amigo" meu de infância. Amigo entre aspas pois digamos que éramos namoradinhos. Era fofa a nossa relação, afinal, eu era nova e minha mãe não me deixava beijar, e ele respeitava - afinal, tínhamos onze anos.  E no final daquele ano eu sumi, por motivos que não vem ao caso agora.
E fiquei "desaparecida" por uns bons anos. E aleatóriamente nós nos encontramos no supermercado. Eu estava andando, distraída como sempre, até que olhei para o lado, e vi um rosto de certa forma, conhecido e perguntei se eu conhecia aquele individuo. Para a minha sorte, eu o conhecia. Nós conversamos pouco, o suficiente para trocar msn, para podermos manter contato.
E depois de uns dias nós finalmente nos encontramos no msn e combinamos de sair. Por fim conseguimos nos encontrar. Conversamos por um bom tempo, alias, conversamos todo o tempo.
Comentamos sobre o que havíamos feito nesse meio de tempo, passado um tempo, começamos a falar sobre amores, vidas amorosas, e nossa visão sobre relacionamentos.
Ele se auto declarou ser um robo, sem sentimentos. E eu, nem preciso falar, certo? 
Porém ele disse que, em alguns casos, ele preferia não se envolver com alguém para não machucar essa pessoa. E eu achei isso muito digno da parte dele. Não querer magoar ninguém, não se envolver. Por mais que você tenha vontade de ficar ou de de ter uma aventura de uma noite, ou enfim, apenas uma pegada. Não se envolver, para não magoar a outra pessoa, pois você sabe que não existem sentimentos, mas você não sabe se isso despertara sentimentos na outra pessoa.
Achei essa atitude dele muito digna. Pois ninguém quer ser machucado, só quem ja sofreu por amor sabe o quanto doi um coração partido. E essa preocupação em não querer magoar o semelhante é muito altruísta. E é isso que falta em nossa civilização, pois a grande maioria das pessoa é extremamente hedonista, e com isso nós sofremos cada vez mais, e fazemos os outros sofrerem também.
As pessoas seriam, de modo geral mais felizes. E seriamos mais amigos também.
Claro que ficadas são muito agradáveis, mas desde que você seja o pegador. Creio que seja praticamente impossivel determinar se a pessoa é do tipo humana ou robo em cinco minutos de conversa durante uma festa. 
Por isso, pense bem antes de sair beijando todos e todas durante uma festa, pois hoje você é o (a)  pegador(a) e seus sentimentos saem ilesos, porém e se um dia você se apaixonar e a pessoa por quem você se apaixonar nada quiser contigo pois sabe que você é apenas uma pessoa que curte ficar e não busca nada sério?
Provavelmente você não ficara muito feliz, então, antes de querer ser conhecido como alguém que fica com todos, pense como esse meu amigo, e procure não ferir ninguém. Pois um dia você é o caçador, porém no outro você pode ser a caça.

08 January 2011

Ciclo

Outro dia estava conversando com uma pessoa sobre maturidade.  Foi uma conversa curta mas que me fez pensar muito. Nos estávamos falando sobre uma pessoa quem conhecemos, e que apesar da idade adulta, insiste em querer ter comportamento de jovem. Alias, posso até dizer que ele pensa que ainda é jovem. 
Digo isso pois ele gosta de sair com pessoas mais jovens que ele, ainda mantém os mesmos interesses que tinha quando era 20 anos mais novo. E com isso nos começamos a filosofar. Sera que as pessoas não amadurecem? Ou sera que elas pensam que serão jovens para sempre?
Sera que elas não percebem que a vida evolui?
Digo isso pois hoje eu sou jovem, tenho vida de universitária, festas, curtição, amigos, poucas preocupações... Porém um dia isso vai acabar, vou ter que começar a trabalhar, me casar, e ter filhos... Vou formar uma familia, fazer programas em familia. E tais coisas fazem parte da evolução do homem, do ciclo da vida.
E com isso me pergunto, o que faz uma pessoa que faz parte de ciclo, que tem uma familia, ainda ficar presa ao seu passado jovem?
Não faz muito sentido.
Faz parte do homem evoluir, nos precisamos disso para a nossa felicidade. Não convém ter atitudes infantis com 18 anos. E não é permitido a uma criança agir como alguém de 18 anos.
Claro que é gostoso brincar com uma criança de vez em quando, porém não conseguimos brincar o dia inteiro. E uma criança não conseguiria ir a uma festa e ficar a noite inteira dançando.
Cada fase da nossa vida deve ser curtida adequadamente, devemos aproveitar cada momento, entretanto, sem exageros. Devemos seguir em frente, e viver a próxima fase, sem medo, pois se ela chegou é porque é o mais adequando para nos nesse momento, e acima de tudo, é porque somos capazes de viver essa nova fase.
Boa sorte com suas fases ;D

06 January 2011

Oportunidade

Outro dia escrevi que queria me apaixonar novamente. Porém somente hoje percebi que não tenho dado ao meu coração a oportunidade de se apaixonar novamente. Mantenho-me presa a memórias, apesar de tê-las libertado. Posso dizer que o sentimento se foi, mas a presença ainda é forte. É meio complicado explicar o que eu realmente sinto. Pois ao mesmo tempo em que eu sei que não sinto mais nada, ainda sinto a presença.
Existem pessoas que nos marcam para sempre, e essa é uma dessas pessoas. Alguém que me marcou muito, e que me fez sentir algo que nunca senti. Contudo, posso dizer com toda a segurança que sinto medo de sentir isso novamente. Medo de que?
Medo de deixar alguém tomar conta totalmente do meu ser, e depois fazer pouco caso dele. Assumo, com muita tristeza, que depois de tanto tempo, sempre faltava algo. Fazia comparações, e esperava uma copia daquele que me fez bem incondicionalmente. Entretanto seria mentir dizer que não gostei das pessoas com quem estive desde então, gostei sim! E de alguma gostei muito, porém havia um vazio. O vazio era dentro de mim. Algo que eu procurava, e que – provavelmente- nem eu sabia o que era, mas não encontrava. E isso me frustrava. E me frustrou.
Procurava sem cessar alguém para substituir alguém. Não conseguia ficar sozinha – apesar de ter ficado durante certo tempo sozinha. Agarrava-me a primeira pessoa que entrava em minha vida – e sinceramente, isso não é nem muito legal e não da muito certo – e ficava presa a ela. Só “soltava” quando me sentia sufocada pela pessoa. Sempre repetia a mesma ladainha “agora vou ficar solteira, blábláblá”, e pergunta se eu conseguia ficar solteira?! – Não.
E isso é cansativo, vazio, passageiro e triste. Confesso que é bom enquanto se esta dentro da relação, porém ao terminar eu via o quanto era apenas uma fuga.
E hoje, ouvi uma musica, na verdade o trecho de uma musica que dizia exatamente o que eu precisava ouvir.

“I don't know what you've been through
But someone somewhere left a mark on you
Well, I'm not them and they're not me
I don't believe in hurt you can't undo
Use the complications you can't face”

E esse foi o clique! Alguém me marcou no passado? Marcou! Porém as pessoas são diferentes, e devemos dar a elas a oportunidade de nos mostrar o melhor delas, paras podermos mostras a elas o nosso melhor.

E o que eu quis dizer com tudo isso?

Eu amei, fui feliz, contudo não tive um final feliz – alias, simplesmente não teve final nenhum. E com isso fiquei com certo receio de passar por essa experiência novamente.  Porém, como já disse antes, as pessoas não são as mesmas, e não é porque eu passei por uma experiência, ao mesmo tempo extremamente agradável e desagradável, que as outras serão assim. Certo?! – sim!

Cada experiência é única, e é isso que faz as pessoas serem importantes em nossas vidas. E acho que depois desse tempo todo, me sinto pronta para aprender a gostar e alguém por ele em si, sem esperar nada, e me deliciar ao me surpreender com a descoberta do caráter do outro.

Porém, vou deixar o destino se encarregar disso. Assim como ele trouxe e tirou, e me fez aprender com isso, sei que ele trará novamente.

05 January 2011

Historia

"Garçom, for favor, me traga uma historia de amor bonitinha".


 Esse foi meu ultimo tweet antes de começar a escrever essa crônica. Você deve estar se perguntando qual o motivo desse tweet. Bem, vou explicar... Acabei de assistir Cartas para Julieta um filme romântico. Apesar de ser totalmente romântica, não sou fã de filmes românticos, prefiro drama - pois sou totalmente dramática também. Enfim.
La estava eu, assistindo o filme, e só para variar me envolvi com a historia - e é por isso que não gosto de filmes românticos. Nisso, eu refleti sobre a minha vida amorosa, afinal ela é um tanto complicada. Afinal, nunca estou solteira, mas nunca estou namorando. E isso me cansou. Definitivamente!
E quero dar um rumo nessa minha vida de nem isso e nem aquilo. E decidi escrever sobre isso, para me ajudar a refletir. O que eu realmente quero?
Eu deveria fazer essa pergunta a mim mesma com uma maior frequência; ou simplesmente encontrar a resposta, pois a pergunta eu me faço diariamente. Posso dizer que eu sei o que quero, porém parcialmente. Acima de tudo não quero magoar a ninguém. E depois disso, quero me apaixonar por alguém, quero que esse alguém me conquiste, quero sentir aquele frio na barriga... " Será que ele gosta de mim?"
"Será que ele vai me beijar?"
Perguntas bobas, parece até coisa de menina de quinze anos... Mas é um sentimento tão gostoso.
Ver um amor crescer, escrever uma historia com alguém, porém saber que esta escrevendo.
Seria pedir muito?
Confesso que tenho um pouco de medo disso, pois a ultima vez que isso aconteceu eu acabei me magoando, mas também tive a mais bela experiência amorosa que já tive até hoje. E isso faz falta, ter essa presença na minha vida. 
Pessoas eu tenho em minha vida, e varias, cada uma com sua importância. Seria errado da minha parte dizer que sou sozinha. Porém, sinto falta daquela presença. De uma pessoa que me faça perder a respiração, sua frio, meu coração parar de bater por uns segundos.
E por isso digo: 
"Garçom, for favor, me traga uma historia de amor bonitinha".

03 January 2011

Hesitação

 Artigo escrito por um fiel leitor, e grande amigo meu, porém, não vou identifica-lo, assim como eu - supostamente - não me identifico.


      Historias não precisam ser criadas de um dia para o outro, apenas exigem compromisso do escritor. Um dia tentei escrever uma historia de vida 
com a dona deste blog, fazíamos como modo de nos comunicar mas apenas isso não era o suficiente para demonstrar o quanto eu gostava dela, por muitos dias ficávamos sem nos falar e deste “caderno de comunicação”, fazíamos nosso diário.
         Ambos já erramos muito, tanto um com o outro quanto com outros, felizmente estes graves erros nos fizeram crescer e amadurecer cada vez um pouco mais, assim também eu, movido por sentimentos X razões, sempre preferi me deixar levar por minha razão, pois acredito que valha muito mais a pena estar com alguém que te de a valor que você realmente merece do que com alguém que você ame mas não te de o valor necessário.
        Um namoro não é feito de apenas uma pessoa, ambos devem acumular sacrifícios, uma amizade segue os mesmo princípios de um namoro pois se trata de duas pessoas que se gostam muito, e que buscam o melhor para seu próximo.
        Às vezes parece que estamos tão longe um do outro que não podemos nem mesmo nos ver, mas sabemos que mesmo separados por um grande abismo sempre estaremos juntos, somos amigos que sabem que podem contam um com o outro a todo e qualquer momento. Um amigo com liberdade para jogar uma pedra na sua janela as 11 da noite e gritar com você podendo acordar seus pais, e 5 minutos depois quando se encontram dar risada desta situação.
        Uma amizade um tanto quanto confusa por nós mesmos as vezes, não sabemos o que somos. Alias, são poucas as coisas que podem ser definidas.
        E muitas vezes é penoso ter que definir o que ser e para quem ser. 
        Sentimento? Claro que ele existe, alias, sempre existiu... Seria mentira dizer que ele nunca viu a luz do dia. Porém seria mentir também dizer que o medo não existe. Medo de que?! Da distancia, da carência - afinal quem não sabe que a dona desse blog adora abraços e é super carinhosa?! -, da falta de tempo...
     Medo de por sermos vizinhos acabarmos nos vendo além do necessário, afinal existem férias, tempo em que ela estará sempre por perto.Medo de estragar a amizade. Ou até mesmo de não ser presente o suficiente.
    Em relação a distância, sempre é possível dar um jeito: msn, orkut, twitter, telefone, skype... Mas a vida não é virtual, e sim real.
    As vezes parece que tudo conspira contra nos, e ao mesmo tempo parece 
que é para tudo dar certo. Gostaria de ter uma bola de cristal para saber o que fazer e o que decidir. Nos dois nos conhecemos muito bem, temos pontos em comum e coisas com as quais nos discordamos. Conseguimos ficar acordados até tarde conversando, ou mesmo conversar na piscina assuntos sérios. Temos liberdade entre nos, e acima de tudo, confiança e cumplicidade... E então qual é o motivo dessa hesitação?