23 January 2017

Apoio

       Boa tarde caros e caras, como vão ? Como sempre, espero que todos estejam bem. Devo lhes dizer que ultimamente estou simultaneamente triste e feliz comigo mesma. Minha alegria se resume ao fato de eu perceber que aos poucos estou amadurecendo, vendo meus erros e entender o que devo mudar em mim, consigo notar quase instantaneamente um equívoco ou lapso de comportamento - e isso me traz um grande contentamento, mas como nem tudo são flores, assim que fico contente por notar minha falha, fico triste por ter cometido um erro. Quem me conhece um pouco melhor sabe o quanto exijo muito de mim mesma, tenho enormes dificuldades em aceitar minhas falhas e acabo me torturando em busca de uma "perfeição" que não existe, mas quem sabe um dia eu não desapego dessa ideia? 
       Bem, estou crescendo, sábado farei 25 anos - comecei esse blog com 18! E com o crescimento vem o amadurecimento, e confesso que fico consideravelmente satisfeita com a maturidade, sei que não tenho grande experiência de vida, e ainda tenho um longo caminho a percorrer antes de poder cogitar a possibilidade de ser alguém maduro, porém a ideia de chegar lá aos poucos me agrada. Entendo que a mudança leva um tempo, é um processo, por mais que eu queija mudar quase que imediatamente, me frusto ao perceber que não é automático, dá até vontade de pular de um precipício de tanta raiva que sinto de mim mesma quando vejo que cometi erros ridículos, e que poderiam ter sido evitados. Creio que a mudança é uma adaptação, muitas vezes esperamos apenas a mudança dos outros, quando não nos esforçamos em nada para consertar aquilo que é preciso em si própria. Tenho certeza que todos temos algo a mudar/melhorar sempre, porém não é correto exigir do outro aquilo que nem você faz; logo acredito que quando alguém decide mudar, tudo muda. 
       Penso que nem sempre mudança significa despersonalização, mas sim adaptação. E ela acontece quando você está completamente envolvido com alguém e busca a melhor maneira de se fazer compreender e compreender a pessoa que está contigo, e o ponto alto desse comprometimento é você se desprender de passado, aliás, creio que isso signifique a resolução de problemas passados que muitas vezes ficaram no seu inconsciente. Novamente, quem me conhece um pouco melhor sabe que por longo período de tempo eu tive uma questão do meu passado extremamente mal resolvida, entrava ano, saia ano, relacionamentos começaram e terminaram e nada de eu resolver o bendito do problema. Aliás, minha vida, em alguns aspectos, era um ciclo quase vicioso até eu conseguir mudar e me libertar dessa questão. As coisas só entram em movimento quando você decide se levantar e seguir em frente.  
      Vejo, também, a necessidade de valorizarmos cada pequenino ato positivo novo da pessoa que está ao seu lado, elogiar e reconhecer o progresso é o  que dá ânimo para seguir em frente, mas que fique bem claro: de nada vai adiantar você elogiar e falar logo após "é, mas você fez isso de errado", dai meu filho, todo o elogio foi por água a baixo, ele se anulou por conta da crítica e a pessoa criticada sentirá-se como se nada de bom ela fizesse, e assim perderá o pique de tornar-se alguém melhor. Além de aprender a ver as pequenas boas - novas - coisas na pessoa ao seu lado, devemos ter paciência, cada um tem seu tempo, e cada um precisa de 'ajuda' de uma forma diferente, eu preciso de ajuda, e como preciso! Veja bem, sou extremamente ansiosa e imediatista, para mim todas as minhas mudanças - e de quem está ao meu redor - devem ser em segundos; sempre que me deparo com um defeito percebido quero imediatamente uma situação para mostrar que o consegui corrigir, e me frustro quando não consigo demonstrar isso. Além de meus defeitos a serem corrigidos ( que fique beeeeem claro como a luz do sol: a ajuda deve ser mediante um pedido de ajuda meu, e com muito amor e carinho, nunca conseguimos nada com brutalidade ), tenho outras questões também: principalmente o fato de não saber pedir ajuda, de não saber como demonstrar minhas fraquezas de forma franca, tenho receio de parecer fraca, medrosa, insegura entre outros - que acabo parecendo de qualquer forma pois não tem como ser uma fortaleza o tempo todo. 
       Eu realmente tenho enormes dificuldades em chegar em alguém e falar "me sinto assim, precisaria disso para melhorar, você pode me ajudar ? olha, acho que você me ajudaria assim... o que você acha ?". Parece tão difícil estender a mão e pedir apoio. Diversas vezes tenho um discurso de pedido de ajuda na ponta da língua, mas não consigo falar, é feio e eu sei, mas falta aquela dose de coragem sempre. Sempre! E aí? Como resolver isso caros e caras? 

No comments: